Educação Corporativa
Big Data e Aprendizagem Adaptativa: Sorria, você está sendo analisado!

Sorria, você está sendo analisado!

Por quantas vezes, durante navegações cotidianas pela web, você já não se perguntou: Tem uma câmera aqui? Essa é a sensação que sempre temos quando navegamos na Internet e percebemos que anúncios de sites ou dispositivos de busca parecem adivinhar pelo o que procuramos. O que nos traz a percepção de que estamos sendo analisados constantemente e que de algum modo, em algum lugar, existe um sistema apontando e anotando nosso perfil de usuário. E realmente existe, é o Big Data.

Para os paranoicos de plantão, que acreditam que esse sistema de análise de dados, serve somente para descobrir informações e controlar a liberdade do cidadão, saibam que o Big Data pode ser uma excelente forma de análise e direcionamento de dados quando aplicado à educação, pois permite à sistemas e plataformas e-learning a verificação dos dados de aprendizagem e sua re-adequação.

Hoje uma das maiores fontes metodológicas relacionadas ao saber é a possibilidade de analisar os conhecimentos prévios de um aluno além de sua atuação e comportamento diante da aprendizagem. Quando é possível obter dados aos quais se pode inferir análise quanto ao caminhar do ensino, o mantenedor daquela aprendizagem, pode analisar pontos forte e fracos, bem como medir o alcance daquela instrução, de forma a editá-la quando necessário.

Uma vez que o ensino torna-se cada vez mais personalizável, óbvio, já que somos diferentes e aprendemos de formas diferentes, as análises do Big Data no formato educacional, atingem as maiores definições de aprendizagem existentes, pois tornam o ensino único e adaptado para cada aluno.

Mas, de forma prática, como funcionaria essa análise de dados e personalização do ensino promovida pelo Big Data?

Análise de dados e personalização do ensino

Tecnologicamente, através de plataformas de estudos online, em que estudantes acessam materiais midiáticos de estudos, como vídeos, e-books, atividades interativas, etc. De acordo com sua forma de resposta a esses recursos, seja pelo tempo de navegação, quantidade de acesso, e, principalmente de acordo com erros e acertos em atividades e exercícios, é possível analisar esses dados e realizar previsões quanto ao desempenho do aluno, gerando relatórios que identifiquem acessos e detalhem a performance discente. Dessa forma pode-se direcionar o aluno aos conteúdos que atendam as necessidades individuais de sua aprendizagem, ou seja, o aluno terá como principal foco de seus estudos, aquele conteúdo ao qual demonstrou maior dificuldade, da mesma forma que passará direto por instruções já absorvidas.

Imagine só que fantástico gestores “lendo” a aprendizagem do colaborador antes mesmo da instrução chegar ao fim? E são metodologias como o Big Data e sistemas de plataforma adaptativas, que permitem ao gestor, compreender como o colaborador aprende, além de identificar as diferentes maneiras de ensino que possibilitem a criação de novos planos de ação e padrões de aprendizagem adaptada.

Sorria, você está sendo analisado: Big data e o ensino adaptativo

Vantagens do Big Data

Entres algumas das vantagens em realizar a análise de dados discentes para adaptação da aprendizagem, podemos considerar:

  • Informações completas de dados de acessos: O professor pode ter acesso a informações que vão além do certo ou errado, poderá analisar o tempo de acesso do aluno em cada recurso instrucional, bem como os pontos de maior dificuldade e as informações de desempenho do aluno.
  • Tempo e análise de correção: O sistema realiza uma correção automática das atividades realizadas pelos alunos, que analisadas geram relatórios que informam ao professor se aquela aprendizagem foi adequada ao grupo ou deve ser adaptada individualmente para que tenha alcance instrucional.
  • Permite autonomia docente: a atividade adaptativa permite ao professor a personalização do ensino para cada aluno ou grupo de alunos, portanto caberá ao docente definir quais são as formas de ensino e aprendizagem que mais se adequam aos conteúdos propostos.
  • Adaptação às necessidades individuais do aluno: Coloca o aluno como centro de ação da aprendizagem, foca em instruções de conteúdos e metodologias de ensino adaptadas para a forma de aprendizagem de cada aluno.
  • Motiva educacionalmente: Torna aulas e instruções atrativas, uma vez que foca somente nos conteúdos necessários à instrução e deixa de lado possíveis habilidades aos quais o aluno já demonstrou possuir, ou seja, o aluno não investe tempo em ensinamentos já conhecidos por ele.
  • Aprendizagem rápida Aulas dedicadas em formatos adaptados não perdem tempo com instruções desnecessárias, ou seja, é possível ao professor programar planos que vão direto ao assunto que se necessita aprender.

Portanto, antes de desligar o GPS ou desativar o histórico de navegação e buscas de seus dispositivos, lembre-se que a ferramenta está trabalhando a seu favor, e será incrível poder usufruir de serviços personalizados, assim como no ensino, que se torna cada vez mais único, adaptativo e tecnologicamente incrível.

Carolina Savioli

Pedagoga, especilista em EAD, Mestranda em Tecnologias Educacionais. Atuante na área educacional há 20 anos, possuo habilidades e conhecimentos em Gestão Institucional e Pedagógica, Coordenação, Desenvolvimento de Projetos, Avaliação Institucional, Processos de Regulamentação de Cursos, Legislação Educacional, Design Instrucional e…

Quero saber mais sobre o autor!

Adicionar comentário

Deixe uma resposta

Quer receber mais conteúdos como esse?

Digite seu endereço de e-mail para receber notificações de novas publicações no blog.